Não existe diferença entre posse e porte

Lucas Silveira é presidente do Instituto DEFESA e Instrutor-chefe da Academia Brasileira de Armas

Um tijolo fundamental nos alicerces do desarmamento implantado no Brasil é a introdução de uma série de termos na legislação que induzem a falsos silogismos que se aderem como Araldite ao cotidiano político, jurídico e social do país.

A distinção entre as condutas de porte e posse de armas na legislação é o exemplo mais didático dessa distorção lógico-semântica.

Inventou o legislador, fortemente apoiado por uma doutrina suja, que posse é ter a arma em seu local de domicílio ou trabalho – com ressalvas – enquanto portar implica trazer a arma consigo a pronto emprego.

O silogismo absurdo a partir dessa premissa é ter exigências diferentes para essas condutas e até mesmo, por mais absurdo que pareça, penalidades distintas.

No meio dessa farandula estatal, os bandidos investidos de funções públicas se deram conta de que a lei tornava-se absurda a ponto de ser impossível de ser cumprida e fizeram um remendo, introduzindo a conduta de transporte – sim, eles são uma máquina de incompetência e desrespeito com o cidadão – à sopa de besteirol jurídico.

Tudo isso para possibilitar que – legalmente – o cidadão que financia esse picadeiro a entregar sua arma para o dono do circo e abrir as portas para entrar na própria jaula, pavimentando o caminho para a tirania e para o democidio, conforme ocorrido por quase 10 vezes no século XX.

Está na hora de aprender! O exercício da liberdade – termo cada vez mais ofensivo às prostitutas estatais (sem ofensa às verdadeiras prostitutas, que fazem um trabalho muito mais digno) – não pode ser orquestrado por axiomas de má fé.

Não é razoável que o cidadão pagador de impostos, trabalhador (de verdade, não político), seja refém da separação escusa de condutas.

Quem tem uma arma OBVIAMENTE precisa porta-la ou, ocasionalmente, transporta-la. Faz parte inevitavel do exercício da posse e, portanto, qualquer distinção entre essas condutas deve ser plena e prontamente rejeitada.

UNIDOS SOMOS INVENCÍVEIS

2 Replies to “Não existe diferença entre posse e porte”

    1. Boa tarde Cristiano.
      Ele quis dizer que ter a “posse”, inevitavelmente, você irá “portar” a arma.
      Mas de acordo com a legislação vigente (infelizmente) nem todos que tem a posse da arma pode portá-la.
      Espero ter ajudado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *