Arquivo do blog

Dois bandidos são alvejados por heroi ao tentar assalto

Morador armado prende ladrão na Vila Santa Catarina

O acusado possui várias passagens por furto, sendo a última delas registrada no dia 5 deste mês

30/06/2014 – 15:38:09 – Atualizada em 30/06/2014 – 20:48:33
Diário Caçadorense

  Durante a madrugada desta segunda-feira (30), um homem foi preso depois que invadiu um terreno particular na Vila Santa Catarina. O proprietário disparou contra o acusado, que por pouco não foi atingido.

caçador

 De acordo com informações, por volta das 4 horas, a Polícia Militar de Caçador prendeu Maicon Faria, de 28 anos, conhecido popularmente pelo apelido de “Tabaco”. Ele foi detido inicialmente por um morador da Rua Castro Alves, que após ouvir barulhos ao lado da sua residência resolveu levantar e averiguar.

Conforme o proprietário, Tabaco foi surpreendido quando estava no pátio da casa. Ele chegou a ser indagado sobre o que estaria fazendo no local, entretanto ignorou e continuou andando. Neste instante o proprietário efetuou um disparo de arma de fogo, fazendo o acusado se jogar no chão. Assustado com a possibilidade de ser alvejado o suspeito pediu para que o dono não atirasse.

Tabaco ficou imóvel até a chegada da Polícia Militar. O individuo recebeu voz de prisão e foi encaminhado até a Delegacia de Polícia da Comarca. Aos cuidados do delegado de plantão, foi lavrado um auto de prisão em flagrante, por tentativa de furto.

O acusado possui várias passagens por furto, sendo a última delas registrada no dia 5 deste mês, quando foi preso em flagrante pelo furto de um computador. Na ocasião ele ficou preso por quatro dias no Presídio Regional de Caçador.

Extraído de http://www.diariocacadorense.com.br/policia/9115-morador-armado-prende-ladrao-na-vila-santa-catarina

Lojista reage a assalto e abate criminoso

Ladrão atira em vítima e acaba atropelado

Ladrão atira em vítima e acaba atropelado from Instituto DEFESA on Vimeo.

Sim, Reaja! (Parte 3) Em vídeo

Sim, Reaja! Parte 2 (vídeo)

Imagens mostram assaltantes em joalheria de Santa Rita do Sapucaí

Sim, Reaja! (agora em vídeo)

Tentou usar menina de escudo, mas acabou alvejado pelos pais dela

A seção de reações armadas do defesa.org não costuma acrescentar eventos estrangeiros, todavia, o brilhantismo da ação que segue foi tão notório que não poderíamos nos furtar a dar a necessária publicidade ao caso.

Ocorreu em Saint Louis, uma cidade do estado de Missouri, nos Estados Unidos, em 10 de Junho de 2014.

Uma adolescente de 17 anos foi abordada por dois bandidos armados e feita refém, com a intenção de adentrarem a casa para cometerem outros crimes. O que os criminosos não esperava era que estariam sendo aguardados pelos dois melhores seguranças armados do mundo: o pai e a mãe da menina, que sacaram suas armas e dispararam contra os malfeitores.

Um dos homens morreu na hora e outro foi levado ao hospital e, posteriormente, preso.

O caso foi notícia em diversos jornais estadunidenses, como o Saint Louis Today:  http://www.stltoday.com/news/local/crime-and-courts/husband-and-wife-open-fire-on-gunmen-who-try-to/article_29109617-bc56-534f-82e6-d36ccba40c38.html

E ainda tem gente que fala pra não reagir!

“Ficarei mais atento ao que acontece ao meu redor”, afirma estudante assaltado na UFSC, em Florianópolis

Jovem entrou em luta corporal com assaltante, foi baleado de raspão e teve a moto roubada

Guilherme André Welter, 22 anos, conta como foi a ação dos criminosos que o assaltaram na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, às 22h desta quarta-feira. O estudante da 8ª fase de Sistemas de Informação foi abordado por dois homens em uma motocicleta enquanto ligava sua moto para ir para casa. Welter reagiu e foi baleado de raspão na nádega.

Segundo Welter, um menor suspeito de participar do crime foi detido ainda na quarta-feira à noite.

A ação dos assaltantes foi gravada pelas câmeras de segurança da UFSC.

Diário Catarinense – Onde aconteceu o roubo?
Guilherme André Welter – Foi no estacionamento do Departamento de Informática e Estatística (INE) do campus Florianópolis. Eu estudo Sistemas de Informação à noite, o único curso noturno do Centro Tecnológico (CTC) da UFSC, e tinha acabado de sair da aula. Passei no laboratório onde trabalho para pegar algumas coisas e depois fui pegar a moto. O local não estava vazio. Tinha bastante gente do meu curso esperando carona e pegando seus veículos para ir embora. Na filmagem da câmera de segurança dá pra ver outro motociclista se arrumando para sair bem próximo de mim.

DC- Como foi a ação?
Welter – Chegaram dois homens em uma moto. O carona desceu do veículo na minha frente, armado, anunciou o roubo, me afastou da minha moto e não conseguia dar a partida. Percebi o nervosismo dele desde o início. Eu estava calmo e prestei atenção nos movimentos dele, nos braços, na arma. Aí resolvi derrubá-lo.

DC- Não se arrepende de ter reagido?
Welter – Não me arrependo. Não compactuo com essa cultura de não-reação, acho que devemos defender o que conquistamos.

DC- Vai mudar sua rotina por causa do ocorrido?
Não farei nada diferente no meu dia-a-dia, mas tomarei alguns cuidados como olhar bem os locais antes de sair e estar mais atento com o que acontece ao meu redor. Instalar alarme na moto também.

DC – O que lembra do momento em que foi atingido pelo disparo?
Welter – Eu estava de costas, não sei qual dos assaltantes atirou. Na verdade, achei que tivessem atirado uma pedra em mim. Senti apenas uma dor leve na hora. As imagens da câmera de segurança mostram eu correndo atrás deles, porque realmente não doía no momento. Depois começou a arder mais, mas foi de raspão, estou medicado segundo as orientações feitas quando fui atendido no Hospital Universítário (HU) e está melhorando.

DC – Havia seguranças da Universidade próximos no momento do crime?
Welter – Sim, havia um bem perto. Como são proibidos de portar arma, pouco pode me ajudar durante a abordagem dos criminosos, mas em seguida o pessoal da segurança foi muito solícito comigo. Acredito que tenham chamado a Polícia Militar (PM), que chegou no local muito rápido, acho que uns dois minutos depois que parei de correr atrás dos assaltantes. Também me levaram ao HU, à 5ª Delegacia de Polícia (DP) onde fiz o BO e à 6ª DP onde reconheci o menor que foi pego. Ao final de tudo, me deixaram em casa.

DC- Como foi a apreensão do menor?
Welter – A patrulha de segurança da UFSC foi quem o abordou na rótula da Carvoeira. Durante a fuga, perseguiram ele com a caminhonete e ele se assustou e caiu. A PM foi acionada para tomar as providências seguintes.

DC- E o outro suspeito?
Welter – Minutos depois do ocorrido, o pessoal da segurança viu ele na minha moto próximo ao Centro Sócio Econômico (CSE). Acreditam que estava esperando o comparsa para ir embora. Como ele não apareceu, rapidamente fugiu. Eles já estavam sendo monitorados, pois circulavam pela UFSC com a luz da moto apagada.

Extraído de http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/policia/noticia/2014/06/ficarei-mais-atento-ao-que-acontece-ao-meu-redor-afirma-estudante-assaltado-na-ufsc-em-florianopolis-4519404.html