CACs são fruto do desarmamento

Lucas Silveira é presidente do Instituto DEFESA e Instrutor-chefe da Academia Brasileira de Armas

Dividir o inimigo é uma estratégia de combate tão antiga quanto a própria guerra.

Apenas em um Estado com a intenção imperdoável de desarmar seus cidadaos, pode-se encontrar distinções entre classes de pessoas quanto ao seu direito de acesso às armas.

No Brasil, o apelidado Estatuto do Desarmamento não nega sua intenção: no seu Art 6° ele elenca uma serie de categorias que considera mais especiais que outras para usufruírem do direito, com a intenção óbvia de gerar o conflito interno em um país já amargurado.

Nesse contexto surge uma das nomenclaturas mais horrendas relacionadas a armas no Brasil: o “CAC”, abreviatura para Colecionador, Atirador e/ou Caçador.
Esse grupo troca parte de suas liberdades essenciais, provando reiteradamente a sua “idoneidade”, aceitando a própria violação do domicilio, para fazer parte de uma casta privilegiada. Dê-me a sua liberdade, e tome aqui esse seu calibrinho extra. Mas cuidado, hein? Não vá usar essa arma pra defesa! Nem pense em salvar sua vida ou lutar pelo Brasil!

Orgulhosos de sua falsa ascenção social – que na verdade é uma diminuição moral -, os “CACs” orgulhosos exibem seus pedaços de papéis que comprovam sua subserviência à tirania: CRs, GTs, CRAFs, laudos, e até carteirinha do clubinho ridículo de tiro.

Sem se dar conta, martelam mais um prego no caixão da sua liberdade.

Apenas em um país odiosamente desarmamentista algumas pessoas podem defender a vida e a liberdade mais que outras. A verdadeira liberdade vem acompanhada de uma inseparável igualdade.

One Reply to “CACs são fruto do desarmamento”

  1. Acredito que o coneito de CAC ficou um pouco deturpado por aqui, em breve síntese, CAC não se relaciona como defesa, é um instituto para ter experiência com armamento e tiro, mas confesso que muitos que buscam essa modalidade logo pensam nesse possível atálio e criar sua defesa em torno do CR.
    Em linhas gerais consegui captar vossa mensagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *