Posições de Tiro

Posições de Tiro

Você pode ter a melhor arma, uma perfeita empunhadura, um saque incrivelmente rápido, uma visada incrível e até mesmo noções perfeitas de estratégia de combate. Todavia, se tudo isto estiver montado sobre uma base ruim, será muito pouco eficiente na hora da necessidade.


Foto: Posição inadequada para o tiro.

 

Isósceles

Foto: Posição Isósceles

 

A posição de tiro conhecida como Isósceles consiste em formar um triângulo isósceles (dois lados congruentes) entre os braços do atirador. Para isso, é necessário que os pés estejam paralelos e apontando direto para o alvo, mais ou menos na largura dos ombros.Nessa posição, os joelhos devem estar ligeiramente flexionados.

A grande vantagem deste método é a precisão horizontal dos disparos: com os pés apontados para o alvo e a arma centralizada em relação ao tronco do atirador, é bem provável que a visada necessite de muito pouco ajuste horizontal. Todavia, o alinhamento vertical pode ficar comprometido, usualmente errado para um local mais baixo em relação a onde se deseja atingir.

Trata-se de posição importante para quem utiliza colete balístico, pois “oferece” ao inimigo a porção mais protegida do acessório (frontal).

Infelizmente, ao mesmo tempo, a posição isósceles também deixa a silhueta do atirador enorme, facilitando a vida de quem deseja acertá-lo.

 

Weaver

Foto: Posição Weaver

 

Inventada por Jack Weaver, a construção desta posição consiste em produzir um afastamento antero-posterior das pernas do atirador, girando ligeiramente o tronco ao apontar o ombro da mão de suporte em direção ao alvo.

Nessa posição, os cotovelos devem permanecer um pouco flexionados e a mão de suporte pressiona a arma contra a mão que efetuará os disparos, mantendo a arma presa.

A vantagem da posição é reduzir a silhueta do atirador, todavia, para aqueles que utilizam colete balístico, tem a desvantagem de “oferecer” ao inimigo exatamente a lateral, menos protegida, do acessório.

 

Weaver Modificado

Foto: Esq.: Weaver Original, Dir.: Weaver Modificado

 

No Weaver Modificado, o braço da mão principal do atirador fica totalmente estendido, proporcionando maior estabilidade à arma, quanto aos recuos.

Isósceles Modificado

 

Há quem fale ainda na posição “Isósceles Modificado”, que se difencia da Isósceles Original na medida em que o centro de gravidade do atirador é deslocado para a frente. Existe uma celeuma sobre as vantagens e desvantagens desta modificação, portanto vamos nos ater à simples menção da técnica.

 

Tática

 

Recentemente “oficializada” no mundo do tiro, a posição que ficou conhecida como “Tática” é a consequência óbvia das observações citadas até o presente.

Ela consiste em um pequeno afastamento antero-posterior das pernas do atirador, porém, mantendo o tronco voltado para o alvo. Isso implica a continuidade da cobertura do atirador pela veste balística e é o padrão que vem sendo mais utilizado por grupos táticos modernos.

 

Considerações Finais

 

Não existe uma posição melhor que a outra. Ao atirador bem preparado é necessário conhecer as características, vantagens e desvantagens de cada uma destas posições para, em uma situação específica, escolher a que melhor se enquadra.

Treinar e experimentar cada uma delas é fundamental não somente na fase de preparação, mas por toda a vida de quem utiliza armas de fogo.

11 comentários

Parabéns muito bem explicadas todas as principais posições de tiro em pé. Na medida do possível publiquem também as variações de tiro ajoelhado e deitado. São bastante interessantes também estas variações. Na busca de abrigo.

Na hora que “o pau come” sobrevive o mais consciente. Aquele que está alerta, e, apesar do nível de estresse ser grande, vai seguir para desferir o disparo correto e fatal. Logo, as táticas e posições auxiliam sim.

Atirar bem é um conjuntos de ações.
De nada adianta um item bem feito se os demais não atendem as necessidades.
A questão posição é um dos itens importantes a realização de um bom tiro.
Na situação de combate a posição ideal é aquela que condiz com a exigência.
Do básico, posição isósceles, o resto é adaptação.
Uma máxima assim diz: ” Lento na preparação e rápido na execução”
A eficiência é acertar o alvo no primeiro disparo.
Desperdiçar munição é se expor e cometer erros.
Paulo Cavalcanti

falando em termos simplórios, se chegar a hora do “pau comer”, o que se deve fazer? jogar com a sorte e ver no dá?
Discordo do argumento do companheiro acima, pois o treinamento e repetição constante das técnicas elevam o operador a um nível de memória muscular ao qual este não conseguira independente que qualquer que seja a situação executar o movimento de outra forma que não seja aquela exaustivamente repetida, e também falo por experiencia própria, sou policial a quase 10 anos, pra mim pura desculpa de polícia acomodado, não treinamos pra polícia, treinamos pra voltar pra casa.

Sempre existirá controvérsia. A melhor posição é aquela que se treina com aquela determinada arma se consegue alvejar o alvo com eficácia. O atirador, caso exerça (ou não) função profissional que exija uso da arma para defender a própria ou a vida de outrem, deve deve realizar constantes e sucessivos treinamentos específicos, simulando diferentes aspectos, rapidez no saque, posições, locais e oportunidades para estar apto física e psicolocamente na hora da ação. O treino constante e direcionado, preferencialmente com a arma de uso poderá proporcionar menos estresse e maior segurança no momento do tiro. São partes dos fatores de sucesso: O perfeito funcionamento e a munição utilizada na arma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *