Para indústria estadunidense de armas, as mulheres serão o próximo grande passo

Armas com perfis “slim”, coronhas e até o corpo inteiro em rosa ou até mesmo detalhes com glitter estão na mira da indústria para atender um público alvo que está em pleno crescimento. Isso mesmo, as mulheres estão na mira!

“Faça ficar bonito e pinte de lilás.”, disse Tori Nonaka, uma atiradora de cabelos lilás que é uma “Glock Girl”, durante o “SHOT Show”.

Nonaka e sua colega Michelle Viscuzi, que é uma veterena do Exército, foram selecionadas pela Austrian para demonstrar e revender produtos Glock para distribuidores em um espetáculo organizado no último mês pela National Shooting Sports Foundation, em Las Vegas.

Além da experiência Viscuzi no Exército e outras, podemos citar sua participação como competidora no show do History Channel chamado “Top Shot”. Nonaka começou a atirar com 3 anos de idade e a competir com 12, ganhando inúmeros troféus desde então.

A Glock possui vários produtos destinados ao público feminino: Nonaka possui um modelo lilás. Muitos fabricantes possuem produtos visando as mulheres, como o modelo chamado “Lady Smith” da Smith & Wesson, que pode ser comprado por U$ 760,00.

Fuzis e espingardas não ficam de fora na customização de formato, tamanho e cor. A loja de armas Mossberg, localizada em Las Vegas, possui alguns modelos que seguem uma camuflagem rosa, cujo marca registrada é a Muddy Girl. Esta loja possui um campo de tiro coberto, que serve festas de despedidas utilizando AK-47 em tonalidades rosas.

Quando os fabricantes de armas pensam no público feminino, eles não pensam apenas em pintar as armas de rosa, eles pensam na defesa pessoal.

“Nós não queremos apenas pegar nossas armas e pintar com uma cor legal.”, disse Sharon Lacy, designer da European American Arms. Essas armas destinadas a mulheres possuem mecanismos mais cômodos de serem operados.

Aproximadamente 80% das lojas de armas relataram um aumento no interesse do público feminino, no ano de 2012, de acordo com os números mais recentes do NSSF. Citando a Flórida como exemplo, 22% das licenças concedidas para porte velado foram destinadas a mulheres. No Texas, esse número corresponde a 28%, um aumento de 7 vezes nos últimos 10 anos.

Tiffany Lakosky, ex-comissária de bordo que caça profissionalmente no programa chamado “Crush with Lee & Tiffany”, do Channel Outdoor , disse ter notado um grande aumento de produtos destinados para as mulheres. Ela não se preocupa com armas pintadas de rosa, mas ela gosta de pistolas com quadros menores, como é o caso da sua semi-automática de calibre .380.

“Eu porto para proteção”, disse ela. “Eu gosto porque quando eu vou correr, ela se encaixa perfeitamente entre minha roupa e corpo. Posso até cortar a grama com ela. Posso também carregá-la em minha bolsa sem que ninguém saiba.”

Algumas empresas de armas, como a Pavona, produzem bolsas e coldres para pistolas que serão utilizadas no porte velado. Essas bolas estão disponíveis em pele de bisonte em uma loja chamada Coronado Leather, em São Diego. Possuem também uma linha denominada Concealed Carrie, que possuem produtos feitos em couro falso de avestruz e crocodilo.

Karen Butler, que trabalha em tempo integral como um funcionário civil do Exército dos EUA, fundou uma empresa, a “Shoot like a Girl” no ano de 2008, para introduzir e incentivar as mulheres na prática do tiro. Karen recebe o patrocínio de empresas como Smith & Wesson, Glock, Taurus e Charter Firearms e viaja para feiras de armas de caça e eventos em todo o país com um trailer, que inclusive possui vários modelos de armas em seu inteiror.

Karen diz também que muitas das mulheres que visitam seu trailer, eventualmente compram armas e que as lojas precisam levar as mulheres mais a sério quando o assunto é armas de fogo. Ela cita o exemplo de que os vendedores precisam começar a falar diretamente com elas ao invés de falar com seus maridos que estão ao lado.

Butler é casada com um Fuzileiro que é veterano do Afeganistão, possui um filho que está servindo no mesmo lugar. Ela diz que o esporte é relaxante para as mulheres, principalmente para aquelas que enfrentam o stress de conciliar trabalho com família.

“Quando você está mirando no alvo e atira com precisão, você nem sequer pensa no que fará no jantar. Você não fica pensando nos problemas do seu dia, você se concentra e foca em acertar o alvo. Quando faz isso, você sente toda a concentração se convertendo em uma enorme satisfação seguida de relaxamento por ter acertado o alvo. Eu acredito que toda mulher deveria experimentar isso.

Extraído e traduzido de http://money.cnn.com/2014/02/07/news/companies/guns-women/ por Lucas Parrini
Adaptado por Lucas Silveira


Publicado em Notícias
Um comentário sobre “Para indústria estadunidense de armas, as mulheres serão o próximo grande passo
  1. José Carlos Ferreira Pinheiro disse:

    Já passou da hora do cidadão brasileiro exigir o reconhecimento pleno de seus direitos constitucionais, dentre eles, o “Direito à Vida” e o “Direito de Ir e Vir”. Mas a integridade física e moral, de forma nenhuma está assegurada neste país.
    Isto direciona para a necessidade da “Emissão de Porte de Armas”, vez que além de ser um direito, face ao aumento do índice de criminalidade que ultrapassa todos os limites aceitáveis e possíveis, (Ver Estatísticas), os fatos apontam para diversas cidades brasileiras como lugares onde a ocorrência de homicídios suplanta em muito, as baixas na Guerra do Iraque e demais conflitos no Oriente Médio.
    Resumindo, o grau de risco e o número de vítimas de assalto seguido de morte (Independentemente de reação ou não por parte do cidadão), são muito maiores aqui no Brasil do que na “GUERRA” própriamente dita. Estamos numa guerra (já nem tão silenciosa mas sim hipócrita), onde o inimigo anda fortemente armado e nós minudos somente da roupa do corpo. “TIRO AO POMBO”. Somos os “POMBOS”. Conclui-se que o Governo brasileiro que pretende tutelar nossa segurança, mostra-se incopentente e incapaz para esta tarefa, tratando o assunto com arrogância. As Secretarias de Segurança Pública de praticamente todos os estados da união, não conseguem dar conta de nossa segurança, tão pouco do esclarecimento quanto a autoria dos crimes, no que diz respeito às Polícias Investigativas e Científicas. A Polícia também não é unipresente e portanto não fará milagres. Cabe a nós zelar-mos por nossos familiares, por nós mesmos e pelo próximo. Com descaso, o Estado e o Governo atual, nos fazem engrossar diariamente as listas de dados estatísticos de assaltos e sequestros seguidos de morte por arma de fogo, arma branca, carbonização, espancamento, estupros e outros.
    Uma vergonha. O cidadão tem o direio a defesa, mas ele está de forma desafiadora, sendo negado a quem sustenta a nação com seus altos impostos. “PORTE DE ARMA JÁ”, de forma acessível ao bolso do cidadão eleitor, trabalhador e pagante de uma das maiores cargas tributárias do mundo.
    Caros Pinheiro
    arquiteto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*