O que mais nós podemos fazer?

O Instituto Defesa​ tem o compromisso de trabalhar por todos os meios possíveis para recuperar, ampliar e conservar a liberdade de acesso às armas e à legítima defesa.

Internamente, nos esforçamos para ter mais ideias e estratégias de ação, mas com a sua ajuda, podemos pensar em algo diferente.

O que você acredita que o Instituto DEFESA possa fazer pela liberdade de acesso às armas que ainda não fez? O que ele já fez e deve continuar fazendo?
Participe. Queremos saber a sua opinião.


Publicado em Sem categoria
23 comentários sobre “O que mais nós podemos fazer?
  1. André disse:

    Como já falei no fórum, poderia ser o centralizador e fomentador de pressão popular. Precisamos nos unir pela aprovação do PL3722 e garantir muitos outros direitos (como a liberdade de escolha de armamento, hoje negado pelo EB).

    O instituto defesa tem o contato de todo mundo, bem como visibilidade, portanto conseguiria muito mais facilmente juntar e coordenar grupos de pressão popular.

  2. Bruno Resendes disse:

    Bom dia, acho que o Instituto Defesa está fazendo bastante no que está ao seu alcance.

    Acho que poderiam nos deixar mais antenado sobre como está o andamento das coisas no plenário. Até o momento não tivemos mais nenhuma informação.

    Abraço.

  3. João Antonio Carvalho disse:

    Como participante de todas as reportagens onde envolve o crime anotando os dados efetivos do ocorrido e formatar banco de dados atualizado. Desta forma “desmascarar” a midia que informa sempre tendendo ao lado do “coitadinho”, mas as famílias que perdem os seus, ficam a deriva como se fossem culpados.

  4. Cesar Faria disse:

    Atuação jurídica. Auxiliar os associados com advogados para garantir direito de porte e posse, além de CAC´s com dificuldades. Essa ajuda pontual especializada seria um fortalecimento do nosso ponto de vista e garantia de diretos. Poderia ser feito com taxas fixas de remuneração

  5. Públio romano disse:

    Crie um canal no aplicativo para celular chamado Telegram. Alguns sites já fizeram isso (TerçaLivre por exemplo). Canal não é chat. Vocês vão publicar, e nós saberemos por notificação no celular. É mais dinâmico do que esporadicamente eu entrar na página de vocês.

    Reduzam o custo do frete para vender camisas.
    Criem mais camisas voltadas ao direito de defesa.
    Mais slogan.

    Tentem ter mais sinergia com sites e movimento que possuem a mesma linha (Movimento Viva Brasil, Terça Livre, Mídia Sem Máscara). Vocês não estão sozinhos.

  6. Maria do Rosário Pocai disse:

    Liberar armas para a população…

  7. Luiz Coelho disse:

    Na minha opinião o Instituto Defesa, além de exigir a revogação total dessa excrescência antinatural chamada Estatuto do Desarmamento, deveria lutar pelo fim da restrição de calibre para a posse de armas.
    Cada indivíduo deve ser responsável pelas suas atitudes, sem a necessidade de um Estado Babá para lhe tutelar.
    Um Estado que sabe se conduzir democraticamente, não precisa temer o povo armado; ao contrário, deve poder contar com esse mesmo povo como Força Auxiliar na defesa da pátria.
    Esse estado socialista, desde os tempos de Fernando Henrique Cardoso, o nefasto enganador, além de não cumprir as sua atribuições nas mínimas necessidades do povo, vem insistentemente impondo restrições ao direito natural de defesa das pessoas, em flagrante desrespeito ao referendo realizado que optou por banir esse abuso de poder.
    Inoperante em todas as outras áreas onde se faz presente, esse mesmo estado socialista autoritário, pela mais absoluta inépcia, vem falhando clamorosamente na condução da política de segurança, sem ter a humildade de reconhecer que é totalmente impossível a polícia estar presente em todos os lugares e situações onde sua atuação se faça necessária.

    Portanto, ABAIXO O DESARMAMENTO!

    Luiz Coelho

    • MARCO A MAGIOLI disse:

      Os magistrados, todos que já vi se manifestarem sobre o assunto são a favor da Proibição de arma. Mas, todos, absolutamente todos não abrem mão do seus porte de arma e nem de seus motoristas/segurança. A velha mania de integrantes do Estado realizar a ambição de paternalizar os cidadãos. Reflexos da escravatura na pós modernidade, Senhores, Suseranos e servos da Gleba. Ridículos !

  8. Humberto Jacintho dos Santos disse:

    Apesar da desconfiança e o desapontamento com a classe politica, entendo que seria lançando candidaturas a Dep. Federal para estarmos mais perto das discussões…

  9. Raphael Toscano disse:

    Levantamento em locais estratégicos, como terminais de grande movimentação, com questionários rápidos.

  10. amancio golinelli jr disse:

    eu acho que quem quer ter o direito de portar uma arma ou ter em casa uma arma documentada para sua defesa e dos seus e o cidadao de bem que paga impostos trabalha etc.logo uma pessoa dentro da lei por que do outro lado o bandido o marginal nao precisa de nada ele por si é um fora um fora da lei.

  11. Luiz Kill disse:

    Nós precisamos expandir o nosso alcance, pois acredito que há muito público para conquistar além do ambiente virtual. Idéias:

    – explorar mídias impressas regionais/nacionais;
    – encomendar pesquisas oficiais;
    – montar agenda de eventos nas principais capitais;
    – escrever às lideranças maçônicas brasileiras solicitando apoio;
    – distribuir material publicitário aos sócios para que façam propaganda em suas cidades;
    – evitar o envolvimento em causas que não sejam estritamente relacionadas ao direito de defesa;
    – criar página agregadora de dados oficiais pró armamento, como fonte para o trabalho dos apoiadores;

    • Marcelo disse:

      Luiz,
      De acordo, resumiu o que iria propor também. Acho que esclarecimento ao público mais amplo é o canal mais apropriado no momento. Quanto mais apoio, melhor será a tramitação da PL3722 (uma vez conseguindo sua aprovação, ainda temos bastante coisa pra lutar).

  12. José Caetano e Silva disse:

    O Instituto de Defesa poderia manter um canal aberto com os Senhores Congressistas, recebendo as nossas sugestões, críticas, reclamações e as repassando diretamente àquelas áreas políticas mais sensíveis aos nossos anseios.

  13. Leonil Santos Damascena disse:

    Boa tarde, creio que seria interessante se fossem criados núcleos regionais… para tal, a Matriz do Instituto analisaria o currículo e faria entrevista com esse líder regional… essa pessoa representaria o instituto dentro da sua área de atuação fazendo palestras, visita a políticos, clubes de tiro, secretários de segurança, EB e PF.

  14. joel germano do nascimento disse:

    Devemos cobrar mais dos parlamentares que é quem fazem as leis,cobrar levando uma comição representando de cada estado Brasileiro duas ou três pessoas de cada,com assinaturas etc…?,lembrando que estamos presos,refem de bandidos hoje sem ter como se defender e amanhã,mobilização já!

  15. Josenilton da Fonsêca Silva disse:

    você poderiam ver a viabilidade, entrar com uma ação civil publica através de abaixo assinado, para tentar pelo menos facilitar à aquisição de armas de fogo por cidadães comum. com isso poderá tornar-se mais um argumento a revogação do estatuto do desarmamento.

  16. RODRIGO LAZAROTTO SOUZA disse:

    Gostaria que o Instituto de Defesa atentasse também aos projetos de Lei do Deputado Federal Onix Lorenzoni pois ele apóia a PL3722, e apóia a categoria da Segurança Privada tendo ele um projeto de Lei que da Direito aos agentes de segurança privada do Brasil o porte de arma fora do horario de serviço para os que estiverem apitos, acho que o Instituto de Defesa deve trazer essa categoria para o seu lado, pois para quem não sabe a Segurança Privada do Brasil é três vezes maior que as Policias no Brasil.
    Eu como Agente de Escolta Armada gostaria de ver o Defesa.Org dando um apoio a essa pauta.

  17. RUI WANDERLEY MASCARENHAS disse:

    Falta mais propaganda mostrando o direito de defesa do cidadão dentro da democracia. Quem quiser compra arma e usa, quem não quer simplesmente não compra.

  18. JOSE CARLOS RODRIGUES disse:

    – Liberdade de escolha do armamento e munição ;
    – O calibre permitido .380 é a pior arma, de defesa e ataque tem 55% de impacto e o oponente 45% de ação ficando em desfavor o agredido, porque o oponente está com uma .40; .44; .45; 357; 9mm; ;sem dizer outras
    – Menos burocracia, o PL ainda está muito e continua na sua estrutura o mesmo jeito do Estatuto do Desarmamento;
    – Não é função do exercito o controle de armamento civil; não consta da CF/88 que eu veja

  19. Gustavo ramos disse:

    Vreio que seria muito interessante fazer uma campanha fora do site ( vamos fazer uma campanha vom a massa, sim ir nas cidades e fazer cara cara com a populaçao.isto seria um barulho muito grande. E para fazer isto teria nós mesmos, os menbros.

  20. Wanderley Barros Jr disse:

    Bem, acredito que no senário atual é necessário investir nas jurisprudência da legislação atual para orientação e suporte para compra de arma de fogo, e posse de arma de fogo. Existe, tanto no codigo civil quanto penal licitudes que podem fornecer principalmente o porte.
    Portanto, peso aos senhores que pesquise essas brechas na legislação e nos forneça a orientação dos procedimento a serem seguidos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*