O Partido Verde vai aceitar mais uma derrota?

giaconi-small
Luiz Giaconi é empresário, escritor e jornalista formado pela faculdade Cásper Líbero; Pós-Graduado em Política e Relações Internacionais pela FESP-SP.

Os números do último Mapa da Violência, referentes ao ano de 2012 são absolutamente claros e aterradores: mais de 56 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em um ano. O maior número desde o início da série, em 1980. Alta de mais de 16% desde 2002. Desde o início dos governos do Partido do Trabalhadores, mais de 500 mil pessoas foram mortas. Quase no mesmo período (2001-2012), a invasão americana do Afeganistão custou cerca de 50 mil vidas, entre as forças invasoras, civis afegãos e combatentes do antigo governo do talibã. Para ficar nos exemplos de intervenção americana, temos o caso da invasão do Iraque e posterior insurgência. Dados da Associated Press colocam em cerca de 100 mil civis mortos no período que vai de 2003 a 2011. Para continuar no oriente médio, temos o caso da Síria, em guerra civil desde março de 2011. Em três anos, o número de mortos chega em 110 mil, aproximadamente, média de pouco mais de 36 mil ao ano. Menos do que nós no período. Ou seja, um brasileiro estaria mais seguro se morasse no Afeganistão e Iraque pós George W. Bush ou até mesmo na Síria, do genocida Bashar Assad. Vivemos uma guerra civil não declarada. E só quem não vê isso é a nossa inepta (para dizer o mínimo) classe política, da qual o Partido Verde orgulhosamente faz parte.

Nessa semana, tentando surfar a onda de indignação que se seguiu com a divulgação dos números chocantes do Mapa da Violência, o PV pediu um novo plebiscito sobre o desarmamento. Afinal, na cabeça dos gênios do PV, nada é tão ruim que não possa ser feito de novo, não é mesmo? Minha dúvida é a seguinte: já perderam o primeiro referendo, em 2005, e não cumpriram o resultado… Se perderem outro, vão cumprir o que o povo deseja? Ou as regras só valem para quando o que o PV quer ganha? Democracia é uma coisa boa só quando as mentes luminosas do PV concordam com o resultado? Basta olhar qualquer pesquisa sobre desarmamento feita nos canais de interatividade de rádios, sites, TVs e no congresso nacional. A nossa vitória de 64% em 2005 seria ampliada facilmente. O povo quase foi enganado uma vez. Agora, temo para o PV que o resultado de um NÃO ao desarmamento seja ainda mais acachapante.

pv desarmamento
Mas, façamos um exercício de boa vontade para com a proposta do PV. Vamos desarmar quem agora, cara pálida? Duvido bastante que Comando Vermelho, Primeiro Comando da Capital e organizações similares, se comovam com uma nova campanha e passem a obedecer um novo chamando pelo desarmamento amplo, geral e irrestrito, que os bem intencionados do PV pedem. Ainda teremos aquelas emocionantes matérias na Rede Globo, com as simpáticas senhorinhas de terceira idade, na maior das boas vontades, indo nas bancas de entrega de armas e doando a velha garrucha, ou o revólver calibre .22 do finado marido e ganhado uns trocados por isso? Improvável. A maior parte das pessoas que tinha uma arma em casa já entregou, enganadas pelo governo, pelos partidos políticos, por boa parte da mídia e pela ampla maioria da nossa “intelectualidade”. Basta fazer um teste rápido: quantas pessoas você conhece, que não são policiais ou fazem parte das forças armadas, tem pelo menos uma arma em casa? Eu não lembro de nenhuma.

O desarmamento nos foi vendido como a solução mágica para todos os problemas relacionados à violência. A típica solução fácil para um problema difícil. Ou como diria um aquele ex-presidente: “matar o tigre com um só tiro”. Vemos o resultado dia a dia, com índices superiores de homicídios aos de 2005. Sem contar que, com as gigantescas dificuldades atuais para se conseguir uma arma legal, quem, em sã consciência, entregaria a arma obtida à duras penas ao Estado? O Partido Verde parece ignorar o montante de dinheiro que seria desperdiçado numa iniciativa dessas. O referendo de 2005 custou cerca de 350 milhões de reais para ser organizado. Acredito que um novo não sairia mais barato. Ou seja, pelo menos 350 milhões de reais do dinheiro do contribuinte. Para algo que já foi feito e que sabemos qual seria a resposta novamente. Quantos presídios federais de segurança máxima não poderiam ser construídos por esse valor? Quantas viaturas novas não poderiam ser compradas com 350 milhões? Quantos novos policiais civis e militares não poderiam ser contratados com essa verba extra? Essas e outras perguntas difíceis o PV não responde.

A ideia do PV, e do estatuto do desarmamento em geral, ignora a lógica e os fatos. E nos últimos nove anos fomos um laboratório de testes gigantesco. Retiraram as armas da população e o resultado foi aumento no (já alto) número de homicídios. Errar uma vez, mesmo com todos os avisos, é humano. Dizem que errar novamente é burrice. Mas desconfio que não nesse caso. É método.


Publicado em Artigos
21 comentários sobre “O Partido Verde vai aceitar mais uma derrota?
  1. jonas disse:

    o partido verde acabou de cavar a proprio sepultura, em relação as estatisticas , posso dizer com orgulho , que entre as pessoas que conheço a grande maioria tem pelo menos uma arma em casa, legalizada com muita dificuldade diga-se de passagem, no entanto moramos no estado com menor indice de violencia no Brasil, a matematica é simples, mais pessoas de bem protegendo suas vidas e seu patrimonio, menos marginais dispostos a ariscar suas vidas em tentativas frustradas de assalto, homicidio,etc

  2. Skull Lord disse:

    Muito bom o artigo! Parabéns!

    Com tanta facilidade em acessar informações, com tantos meios pra isso, só me resta pensar que: Quem quer o desarmamento não é ignorante, pelo contrário, sabe muito bem do assunto e na verdade, está mesmo com más intenções.

  3. mauricio disse:

    Este partido verde os lideres ja sairam todos foram embora .Querem aparecer num tema serio,as pessoas estaõ morrendo igual galinhas e ninguem faz nada?E quando aparece alguem tentam prejudicar .E o caso do partido verde e um partido de merda que naõ faz nada para ninguem .

  4. Cesar Pinheiro disse:

    Falar que Assad da Síria é genocida é muito estranho, pois se sabe que a guerra na Síria é uma guerra provocada, dentre muitos fatores, pela Arábia Saudita e Quatar por causa do gasoduto Iraniano a ser construído, tendo Assad negado passagem de um gasoduto do Quatar pela Siria. Assad é querido pelo povo Sírio, principalmente por sua resistência contra essa guerra de mercenários e bilhões de dólares gastos para destruir a Siria. Basta ver o resultado das eleições agora, onde além de receber comparecimento maciço da população, ele também recebeu maciça aprovação, ou será que vão falar que a votação foi fraudulenta?

    • Lucas Silveira disse:

      Não preciamos dizer, Pinheiro, você já disse.

    • Luiz Giaconi disse:

      Não diria que chamar Assad de genocida é “muito estranho”. Até porque não fui o primeiro e, provavelmente, nem serei o último.

      Basta ver o que diz o Genocide Watch:

      http://www.genocidewatch.org/syria.html

      Destacando o seguinte trecho: “Since the beginning of March 2011, the stability of the Syrian Arab Republic has degenerated at an alarming rate. Genocide Watch warns that massacres and mass atrocities against pro-democracy protesters and the civilian population are being committed by Syrian security forces under the command of the al-Assad government.”

      Ou um perfil mais completo sobre Assad, na New Republic:

      http://www.newrepublic.com/article/115993/bashar-al-assad-profile-syrias-mass-murderer

      Sobre o que provocou a guerra civil na Síria e as últimas eleições lá, não são os temas da coluna. Assad foi usado apenas para uma comparação conosco.

  5. Cesar Pinheiro disse:

    Fala-se mais não prova-se. O ódio pelo Assad por não ser submisso é muito grande e ele tem amigos poderosos que o ajudam.
    O povo da Síria conseguiu se unir em torno de Assad e derrotar seus inimigos.
    Os fatos por si só falam, somente a união do povo Sírio conseguiria derrotar tantos inimigos como derrotou. O povo Sírio saiu vitorioso dessa guerra. O choro é livre, sintam-se a vontade.

  6. Ricardo Santos disse:

    A maior garantia para instalação de qualquer regime autoritário é o desarmamento populacional porque quase não haverá resistência. Entretanto, a suposta “ditadura militar”, que os petistas e aliados (PV, PSDB, etc) tanto combatem, nunca precisou desarmar ninguém. E, observem que foram quatro tentativas de “esquerdizar” o Brasil. Todas as vezes que as FFAA interviram, não desarmaram a população. Portanto, a meu ver prefiro a “ditadura de direita” por ser mais esclarecida, progressista e respeitadora dos direitos dos cidadãos. – By SP/BR.

  7. Alice Dombroski Parapinski disse:

    Minha arma terei dentro de poucos dias. Seu registro sai em menos de um mês. Desde adolescente treinava com vários tipos de armas. Nesse tempo tinhamos LEIS contra bandidos, podiamos andar nas ruas até com espingarda na mão. Faço 80 anos dentro de alguns dias, e no curso básico de tiro, de cem tiros perdi só cinco.

  8. Romarcio Ferreira de Iima disse:

    O pior de tudo é saber que esses mercenários do PV ganham rios de dinheiro as nossas custas !

    Vocês são uma corja camuflada de intelecto logos e políticos anti-Brasileiros, verdadeiros seus sorrateiros !

    Salvem nossa nação, salvem nossas culturas, no provo, nosso Brasil !

  9. Marcelo disse:

    Sou antidesarmamentista e me oponho ao PV, mas não esqueçam que as populações do Afeganistão e Iraque são seis vezes menores que a do Brasil, e a da Síria dez vezes. Portanto, nesses países morreu mais gente que no nosso país. Além disso, não é informado se nesses países estão contados os mortos em crimes comuns.

  10. Dirceu Hartmann disse:

    Só tenho uma coisa a acrescentar, algo que creio que deve ficar claro. Essa história de desarmamento não é do governo PT. Ela começou no tempo do FHC. Não estou defendendo o PT. Ele poderia ter parado com isso, mas não parou. Só quero que fique claro que PSDB também é a favor do desarmamento, votou unanimemente a favor do estatuto e inclusive o atual pré-candidato Aécio Neves ainda mantém a postura pró-desaramamento, como se pode ver em seu próprio site oficial.

    aecioneves.com.br / artigos/desarmamento-2/ (sem os espaços)

    • Lucas Silveira disse:

      Na verdade, Dirceu, as restrições às armas no Brasil datam da época do Império. O PT apenas elevou ao absurdo.

    • Luiz Giaconi disse:

      A culpa dos tucanos não será eximida quando tratarmos do caso brasileiro histórico. Quem tirou das polícias civis e passou para a responsabilidade da PF a liberação do registro foi o governo FHC, em 1997 ou 98. O embrião do estatuto do desarmamento foi gerado pelos tucanos. O PT turbinou o que eles faziam.

  11. Allan chieslinski disse:

    ótimo trabalho exercido pelo pessoal do defesa.org,o que não podemos deixar é essa cambada de covardes que são protegidos por seguranças (armados) decidirem o que pode e não pode. cada cidadão deve ter o direito de escolher o que é bom para si.
    tive que passar por testes de aptidão física e psicológica para ter minha arma, e não será fácil para que eu entregue elá.

  12. Daniel Lima disse:

    Pra mim o foco real é outro! Os EUA incentivam a compra de armas pela população simplesmente por serem um país odiado por muitos. Se tentarem invadí-lo, o próprio povo será um exército a ser derrotado. Já aqui, no Brasil, temos um governo picareta que só sabe extorquir dinheiro do contribuinte. Sabemos que, uma população armada, é um risco para a nossa classe política. Imaginaram se, nos protestos do ano passado aquela tanto de gente estivesse armada? Será que estaríamos na mesma situação que estamos hoje?

  13. José Venil Pacheco disse:

    Não deixa de ser uma estratégia do PT e PV, enquanto eles roubam rios de dinheiro público, se o cidadão possuir uma arma ilegal vira notícias e eles vão se escondendo atrás do noticiário encobrindo suas mamatas

  14. manoel figueiredo disse:

    Esses safados querem que o povo se lasque, provavelmente andam de carro blindado e cheios de seguranças,que geralmente são policiais destacados para guardar esses bundas de caqui; Não desistamos ! Vamos perturbar o congresso por e-mail ou telefone, sem falar nas urnas. FORA PV,FORA PT e FORA O ESTATUTO DA PENA DE MORTE PARA O CIDADÃO.

  15. Marcelo disse:

    Jornalistinha meia-boca. Chamar Assad de genocida por não se curvar a interesses americanos foi simplesmente ridículo. Daqui a pouco o mané vai dizer que os terroristas do EI não foram treinados e pagos pelos EUA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*