Munição cara limita treino da polícia

18-11-13 Alguns policiais pagam munição do próprio bolso. Falta de treinamento tem reflexo na alta letalidade da polícia brasileira

municao cara

Se não se dispuserem a pagar do próprio bolso, policiais militares e civis de unidades não especializadas podem passar longos períodos sem disparar um único tiro em treinamento. De acordo com policiais ouvidos pela Gazeta do Povo, esse insumo chega a custar quatro vezes mais no Brasil devido à ausência de concorrência no mercado e a limitações legais para importação, o que acaba limitando os treinos de tiros a unidades de elite.

A produção e comercialização de munições no país são realizadas majoritariamente pela Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), empresa com sedes em São Paulo e Rio Grande do Sul e que comprou recentemente outras duas unidades na Europa. A Industrial de Material Bélico do Brasil (Imbel) também atua no setor, mas com produtos pouco comuns às polícias brasileiras. Sem concorrência, a CBC vende o milheiro de munições .40 S&W, por exemplo, por um preço quase quatro vezes superior ao praticado em países como os Estados Unidos.

A saída seria importar. Mas esse recurso é regulamentado pelo Exército Brasileiro, que o proíbe caso um produto similar seja fabricado no país. Quando autorizado, a munição é sobretaxada em 150% do seu valor por não ser considerada produto essencial. Para o editor-chefe da revista Magnum, especialista em armamentos, o preço das munições está ligado a essa situação de mercado. “O custo da munição é alto em função do monopólio, que já tentou ser quebrado por outras duas empresas, mas elas naufragaram”, explica.

Nesse cenário, o investimento dos estados brasileiros na compra de munições e explosivos, que já não é alto, fica ainda mais enxuto. Nos últimos três anos, o Paraná investiu cerca de R$ 19 milhões na aquisição desses materiais, pouco mais de R$ 1 mil por policial – valor suficiente para 200 munições.40 por agente. Em São Paulo, essa relação é ainda menor.

Parados

Com pouca munição custeada pelo Estado, há casos de policiais sem treinar tiro há mais de uma década. “Meu último treinamento foi no início dos anos 2000, quando estava em uma especializada. Isso é ruim porque tira a confiança”, disse um delegado distrital de Curitiba, que pediu para não ser identificado.

Há, porém, quem recorra ao próprio bolso para não “enferrujar”. Um policial de uma unidade especializada de Curitiba disse gastar mais de R$ 2 mil com sessões de treinos em clubes de tiros, valor que poderia ser ainda maior se ele não se valesse das chamadas munições remontadas formadas a partir de cápsulas já deflagradas ou vencidas. “Faço isso porque o treino de tiro auxilia a mecanizar os movimentos. Quanto maior a preparação, mais apto o policial fica para proteger sua vida e de quem está próximo da ocorrência”.

Especializados treinam com regularidade

Com o alto custo da munição, o treinamento regular de policiais fica restrito àqueles que estão lotados nas chamadas unidades especializadas. Na Policia Civil, o Tigre, grupo que se notabilizou por solucionar casos de sequestros, realiza treinamentos semanais. Já o Comando de Operações Policiais Especiais (Cope) também teria treinos regulares, mas com menor frequência.

A Polícia Militar disse que o treinamento para todos os policiais é constante, mas que não informaria frequência por questão de segurança. A reportagem apurou que os homens do Comando e Operações Especiais (COE), vinculado ao Batalhão de O­­­­pe­­­rações Especiais (Bope), treinam semanalmente. Já os da Tropa de Choque e da Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), também do Bope, teriam treinos mensais.

Alta letalidade da polícia não é coincidência

A falta de treinamento é apontada por Luís Flávio Sapori, do Centro de Estudos em Segurança Pública da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como uma das causas da alta letalidade das polícias brasileiras, que mataram no ano passado três vezes mais do que a americana. “Parte do fenômeno da letalidade está relacionado à baixa capacitação técnica dos policiais. Principalmente para aquele tiro não letal, que apenas imobiliza o oponente. Isso requer treinamento com arma de fogo, que por sua vez demanda dinheiro”, diz o sociólogo.

De acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança, 1.890 pessoas morreram em confronto com a polícia no Brasil em 2012 – cinco por dia. No Paraná, foram 167 – uma a cada dois dias. Já nos EUA, foram 410 mortes.

municao cara2

Repercussão

Melhor treinamento é com munição real, diz sindicato

Representantes dos agentes de segurança a serviço do Paraná, a Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares (AMAI) e o Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado Paraná (Sinclapol) reclamaram da falta de treinamento com tiro regular para os policiais.

“A munição para treinamento é reduzida e, quando tem, é remontada. Por isso, temos muitos casos de policiais que recorrem ao próprio bolso para treinar. Quando acontece algo errado, a culpa é sempre individualizada”, disse o coronel Elizeo Ferraz Furquim.

Já André Gutierres, presidente do Sinclapol, ressaltou a importância dos treinos. “O melhor treinamento é o tiro prático, com munição real. Ele ajuda o policial a ter o controle emocional e desenvolver habilidades. Além disso, um policial que está em distrito hoje pode estar no Tigre amanhã. Todos precisam ser treinados”.

Entrevista

Se a importação fosse liberada, o preço da munição diminuiria

Riad Braga Farhat, delegado-geral da Polícia Civil do Paraná

O gasto com munição no Paraná tem sido suficiente para treinar os policiais?

Com o custo atual da munição, o gasto por policial realmente não é suficiente. Os policiais do Tigre treinam semanalmente e os do Cope também têm uma regularidade, porém mais espaçada.

Como o senhor recebe a notícia de que policiais treinam com dinheiro do próprio bolso?

Por um lado, nos orgulha porque mostra um policial que procura se manter preparado mesmo que isso traga um prejuízo financeiro. Por outro, é lamentável que ocorra em decorrência do monopólio criminoso que se estabeleceu no país.

Mas o valor investido seria suficiente se o preço da munição fosse mais baixo?

A culpa não é dos estados, que não têm condições de comprar munição em quantidade de suficiente com o valor que é cobrado por aqui. O preço é muito superior ao de muitos países. Se a importação fosse liberada, seria fácil controlar a entrada e diminuiria o preço.

Em um cenário ideal, o policial deveria treinar com que frequência?

O policial deveria realizar treinos de 15 em 15 dias. Um treino com 50 tiros. Isso o manteria em um nível aceitável de proficiência. Mas infelizmente ainda não é isso que temos.

Silêncio

Procurada pela reportagem para explicar o valor da munição, a Companhia Brasileira de Cartucho informou que a relação com a imprensa é feita pela Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições. A entidade também foi procurada pela reportagem, mas sua assessoria informou que o presidente, Salesio Nuhs, estava viajando.

 

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1426073&tit=Municao-cara-limita-treino-da-policia


Publicado em Notícias
10 comentários sobre “Munição cara limita treino da polícia
  1. Alexadre Pinheiro Mourao disse:

    Creio que haja uma grande desinformação nessa noticia.
    Atualmente as munições de treinamento, que eu tenha conhecimento são originais e são vendidas para as instituições policiais de todo o pais ao preço unitário de R$ 1,93. Assim, se realmente fossem investidos R$ 1.000 por policial, cada um teria a disponibilidade para treinamento de 518 munições.
    Já as munições de operação policial, tem outro tipo de tecnologia empregada principalmente na característica dos projeteis, que não são necessarios nas munições para finalidade de treinamento. Essas munições opperacionais (operação policial), sim são munições mais caras e não são utilizadas para treinamento. Por exemplo: as munições operacionais no calibre .40 S&W adquiridas pelas instituições policiais normalmente possuem ponta oca, enquanto as munições de treinamento não necessitam dessa especificidade. Porem ambas são originais e tenho conhecimento que ambas tem excelente qualidade. Também deve-se levar em conta que as munições de treinamento são fabricadas hoje no Brasil com componentes quimicos não tóxicos (livres de metais pesados) com projeteis totalmente vedados que elimina a possibilidade de queima do chumbo e liberação de gasesw tóxicos que são prejudiciais para a saúde dos policiais e do meio ambiente. Sendo assim não me parece que haja a desparidade da munição brasileira com a munição internacional, pois estamos comparando R$1,14 X R$ 1,93, muito menos que 4X o preço dos EUA e levando em consideração as despesas logisticas/estradas/segurança que temos aqui no Brasil, creio que essa diferença entre o preço lá e cá é bastante justificavel não?

  2. Marcos Fadel disse:

    Ao invés de subsidiar e ajudar os donos de transportes públicos, que servem um péssimo serviço, deveriam subsidiar o treinamento dos policiais e soldados deste país. Eles sim, fazem nossa defesa e proteção. Mas esse governo é safado e quer armar milícias particulares. Desenvolvem e treinam soldados especiais para suas defesas particulares. Fora PT e comunistas!!!!

    • Dirceu disse:

      Onde você viu o PT nessa história, ô criatura?
      Essa história de desarmamento começou na época do FHC. O PSDB e o DEM foram a favor do desarmamento. Os governos estaduais do Paraná e São Paulo, citados na matéria, são do PSDB. Pare com esse mimimi de que tudo o que é ruim no país é culpa do PT. Ele não é pior do que PSDB, PMDB, DEM, PPS e todos os outros. Ou você acha mesmo que, se o Serra vencesse a eleição em 2010, ele ia revogar a lei do desarmamento?

      • Nabuco disse:

        Você tem razão, toda essa esquerda suja e traidora comuno-socialista – PT, PSDB, PCB, PCdoB, PSOL, PDT, REDE são todos lixo do mesmo aterro sanitário.

  3. Ailton Antonio Costa da Silva disse:

    Eu acredito que os parlamentares “ciadores das leis”,poderiam lançar uma PL na qual viesse à favorecer as classes policiais neste sentido,pois tiro exige treinamento,e isto à marginalidade sabe muito bem.O governo poderia gerar alguns benefícios em prol desta situação.No exterior à categoria policial além de ser privilegiada,possui inúmeras condições para seu aperfeiçoamento em tiro,como la fora nosso Governo aqui poderia além de favorecer à categoria dos policiais,afinal -Nós somos à linha de frente…mais investimentos na área poderia nos favorecer de alguma forma….

  4. alexandre roedel disse:

    A munição no Brasil é muito cara,basta viajar aos Estados Unidos ( ou checar em sites dos EUA ) e comparar.Tem-se o recurso da recarga.Por que a polícia não compra equipamento de recarga e faz treinamento de uma equipe para fazer as recargas ?Seria uma ótima solução, coisa que os atiradores esportivos já fazem.

  5. Moisés F Antunes disse:

    É uma vergonha este Pais na questão segurança puplica,se a gente quer se preperar temos que custear do próprio bolso,EU sou atirador,CAC,CR 45450 Exercito Brasileiro,trabalho na GCMC,e gasto quase 20% do meu salario com treinamento,isso porque recarrego meus cartuchos,e quando importamos munição pagamos altos impostos,BRASIL um PAIS de “TOLOS”.

  6. EWALD SANTANA disse:

    SOU POLICIAL CIVILPOSSUO ARMA NOVA CALIBRE 40 E GRALÇAS A BUROCRACIA DO EXERCITO ETC ESTOU COM UMA ARMA NOVA REGULAR E SEM PODER ATIRAR OORQUE N~ÇAO POSSUO MUNIÇÃO …SE ALGUEM PUDERMME ORIENTAR OU AJUDAR EU QUERO ADQUIRIR PORQUE PRECISO .

  7. Cristóvão disse:

    Vamos parar com essa de armar ou desarmar ,dêem o direito de defesa e deixem brotar vagabundos que o diabo vai adorar ,esse brasl ta entregue ,mas tem homens capazes de provar o contrario

  8. Rainor disse:

    O Brasil é um lixo, uma ditadurazinha vagabunda onde nada funciona. Enquanto o mundo se globaliza e enriquece aqui se proíbe tudo, dificulta-se tudo e o país fica a cada dia mais pobre, mais sujo, mais inseguro, mas horrível de se viver. Não é a toa que centenas de milhares de brasileiros já imigraram para o mundo civilizado e muitos mais pretendem fazer o mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*