Em oito anos, houve um aumento de 64% de clubes de tiro registrados; veja mais dados

Reportagem de Adriana Farias para a Folha de São Paulo releva dados interessantes.

Há 52 clubes de tiro registrados no Estado de São Paulo (16 deles na capital).

No Brasil, eram 724 associações do tipo em 2012. Em 2004, foram registradas 441. O aumento é de 64%.

Para 82% dos paulistanos, a violência aumentou de um ano para cá. A pesquisa foi feita em junho pelo Datafolha, com 815 entrevistados de todas as regiões da cidade.

Em 2004, na primeira Campanha do Desarmamento, 300 mil armas foram entregues no Brasil. Em 2012, só 27 mil.

No Estado de São Paulo, reduziu 23% de 2011 para 2012: de 10.234 armas devolvidas para 7.877.

De cinco anos para cá, houve um boom de armas nas mãos de civis. O registro cresceu 376% no Brasil: de 3.913 (2007) para 18.627 (2012).

Nos últimos dez anos, os ‘cidadãos comuns’ foram responsáveis por 64% (117.442) dos registros de armas novas no país. O restante foi destinado a segurança privada e pública (policiais civil e militar, excluindo Forças Armadas).

O Brasil tem 16 milhões de armas de fogo, estimando as ilegais. Em 2010, foram 38 mil mortes por tiro.

Nos Estados Unidos, são 300 milhões, de acordo com o Congresso. No mesmo ano, foram 10 mil mortes por baleamento.

O preço médio de um revólver, nos Estados Unidos, é US$ 75 (R$ 170).

No Brasil, não sai por menos de R$ 1.200 (no mercado legal).

Foto: Rodrigo Capote/Folhapress

Foto: Rodrigo Capote/Folhapress

Outros artigos interessantes de Adriana Farias:

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2013/07/1310087-em-oito-anos-houve-um-aumento-de-64-de-clubes-de-tiro-registrados-veja-mais-dados.shtml


Publicado em Estatística e Ciência

Warning: mysqli_num_fields() expects parameter 1 to be mysqli_result, boolean given in /home/wp_rhsrt6/defesa.org/dwp/wp-includes/wp-db.php on line 3078
6 comentários sobre “Em oito anos, houve um aumento de 64% de clubes de tiro registrados; veja mais dados
  1. Leonardo Ferraz disse:

    Ótima matéria e ótima notícia. Realmente é uma falsa visão acreditar que conforme o maior o número de armas, menor o número de crimes. É justamente o oposto. Na verdade isso me lembra aquela história antiga contada na escola de que os países avançados mantém armas de destruição em massa, não para atirar nos seus inimigos, mas para mante-los quietos.

    Se uma grande parcela da população tivesse acesso mais fácil e barato a armas de fogo e logicamente um treinamento adequado, muito vagabundo iria pensar 10x antes de entrar no mundo do crime. Infelizmente ainda vivemos num país onde além de ser demorado e caro conseguir uma arma, você não pode portá-la e dependendo das circunstância em que você mate um vagabundo, acaba respondendo por homicídio. O,o

    Parabéns pela matéria.

    Avante!

  2. Guilherme Wadt disse:

    Mesmo assim os repórteres ainda publicam dados estapafúrdios…

    “Nos últimos dez anos, os ‘cidadãos comuns’ foram responsáveis por 64% (117.442) dos registros de armas novas no país. O restante foi destinado a segurança privada e pública (policiais civil e militar, excluindo Forças Armadas).”

    Isso é dado irrelevante. A contabilidade de registros inclui armas que já eram de posse do cidadão e foram regularizadas, enquanto as das seguranças privada e pública já vinham com registro, portanto entrando nessa “conta” só as novas.
    Serve para mostrar a maciça adesão à legalidade, mas inútil como argumento de que houve aumento nas aquisições!

  3. Marcelo Alves Peron disse:

    este tipo de informaçao e muito importante,cada um ajudando um pouco ja esta bom,mas pena que nao posso comprar nenhuma arma,ja fui ameçado por bandida pelo menos uma vez,mas nao tenho dinherio para comprar uma arma fria,e o estado me interditou,estou ficando sem defesa,so me resta a reversao de curatela mesmo,boa sorte a todos os brasileiros e a voces,obrigado.

  4. Fábio Abreu disse:

    O Brasileiro tem que parar de acreditar nestes argumentos ilusórios que o problema do aumento constante da violência é das armas do cidadão de bem. O Brasil antes de 2003 tinha esta liberdade e o número de civis armados chegava a 2 milhões em todo o país. O problema é que os desarmamentistas querem “enfiar guela abaixo” do povo estes argumentos falsos, pois, a eles não interessa uma nação armada, mas sim o contrário para que suas políticas IDIOTAS possam ter sentido. Por isso não devemos desanimar, pois, este direito esta às portas de ser recuperado, mas eles como sempre, vão tentar algo para impedir que a população de bem tenha sua liberdade restaurada. Não aceite o desarmamento, é direito seu ter e portar armas de fogo, PORÉM SOMENTE DE FORMA LEGAL, NÃO CAIAMOS NA ILEGALIDADE PORQUE SENÃO TUDO O QUE QUEREMOS RECONQUISTAR PODE SER JOGADO POR ÁGUA ABAIXO.

  5. João Barbosa Pereira disse:

    O direito a legítima defesa é um direito sagrado. DEUS, em sua infinita sabedoria, dotou todos os animais de uma arma para legítima defesa: o gato, as unhas; o cachorro as presas, o galo os esporões; o elefante os sabres; o cavalo o coice; o boi os chifres, etc. e o ser humano a inteligência para criar as armas que manuseassem com mais facilidade e eficiência. E aí nasceram as espadas, os punhais; as armas de fogo e até as armas nucleares. O que importa é o bom senso e o equilíbrio na hora de fazer uso de sua legítima defesa. Ela pode ser feita por uma arma de fogo, arma branca, por um cacete ou até por uma pedra. A própria lei Penal, orienta que não comete crime aquele que, usando moderadamente dos meios NECESSÁRIOS, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito SEU ou de OUTREM. Trocando em miúdos: autoriza o uso da arma que for NECESSÁRIA, como instrumento de legítima defesa. Que arma poderá usar um cadeirante, para se livrar de uma agressão iminente ? Que arma poderá usar o cidadão comum, para livrar sua família (mulher e filhos) da ação criminosa de três ou quatro bandidos que adentrem à sua propriedade para cometer crimes ? Poderá ele fazer uso de uma foice, contra 3 ou 4 bandidos ? É muita ingenuidade ou muita hipocrisia de quem tem, policiais civis ou militares, ou até empresas de segurança, fazendo a sua segurança e a de seus familiares, argumentar que arma é um perigo, que arma não dá segurança. Será que seus seguranças não usam armas ? Pode não dar segurança nas mãos dos que pensam assim, porque não tem competência para usá-las. Entretanto o cidadão que possui, legalmente uma arma de fogo, foi obrigado a comprovar ter habilidade e equilíbrio emocional e psicológico para usá-la.

  6. Ercilio S. Borges disse:

    Dizia meu instrutor Militar; é se preparando para a guerra que se tem paz.
    Dizia um amigo, pai de filhos adultos: ” filho, mantenha sua arma debaixo da coxo sobre o assento do carro. Da cadeia eu te tiro, do cemitério – não.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*