Contribuições da avaliação psicológica ao porte de arma: uma revisão de estudos brasileiros

Cristiana Rezende Gonçalves Caneda
Maycoln Leôni Martins Teodoro

Resumo: O campo da avaliação psicológica para o porte de arma apresenta dificuldades e limitações em sua fundamentação e exercício profissional, com base na legislação brasileira vigente. Para que ela possa se desenvolver, faz-se necessário sistematizar o que tem sido desenvolvido sobre o tema. Neste sentido, foi realizada uma revisão assistemática dos estudos nacionais que abordam à avaliação psicológica para porte de arma. Para tanto, foram realizadas buscas por meio da BVS-Psi de pesquisas que trouxessem, em seu título ou corpo, alguma referência à avaliação psicológica para o porte de arma, utilizando como descritores porte de arma, avaliação psicológica, avaliação psicológica para porte de arma. Os resultados apontaram para 2 artigos de natureza empírica, 14 trabalhos de anais, 2 dissertações e 1 livro. Optou-se por não se limitar o período de publicação em razão da pequena quantidade de trabalhos sobre o tema. Conclui-se que as pesquisas sobre avaliação psicológica para porte de arma de fogo são escassas e trouxeram limitadas contribuições, denotando um campo carente da atenção científica.
Palavras-chave: Avaliação; psicologia; porte de arma.

Aletheia 38-39, p.162-172, maio/dez. 2012

Clique aqui para baixar o artigo completo


Publicado em Estatística e Ciência
3 comentários sobre “Contribuições da avaliação psicológica ao porte de arma: uma revisão de estudos brasileiros
  1. Jorge Omar Perreira Brasil disse:

    De que adianta exame psicológico para o uso de armas??? se adiantasse de alguma coisa pelo menos 30% da policia teria que trabalhar desarmada pois não tem preparo psicológico para a funçao que exerssem…
    Acredito sim, que o cidadão devia ser preparado para o uso de armas desde sua infancia…
    Criei-me desde pequeno ambientado com armas, aos 12 anos chegava á ficar mais de semana no mato caçando, circulei boa parte da minha vida com uma arma junto á mim, executei serviços na area de segurança com excelente desempenho pode se dizer, tenho e sempre terei acesso á armas sempre que precisar das mesmas, no entanto não tenho nenhum acidente com arma, nunca perdi arma para vagabundo e algums processos que tenho por agressão e lesão corporal, nenhum deles tem arma envolvida, sabem porque? porque muitas vezes deixei minha arma na mão de alguem de confiança e sai no tapa com o individuo, isto é conciencia do que uma arma faz…agora falam em perfil psicológico…num pais onde uma pessoa tem uma discussão leve e leva um tiro de um policial? cade o perfil psicológico deste policial??? é só o cidadão que tem que se ferrar???

  2. Andre Guarda disse:

    Jorge disse exatamente tudo!!! tem muito MIKE ai que nao poderia portar nem estilingue

  3. Gustavo miranda disse:

    Concordo plenamente com meus amigos!!!! Estou junto com vocês nesta luta, e como diz o Amigo presidente do instituto, UNIDOS SOMOS INVENCÍVEIS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*