5 dicas para sobreviver à violência urbana

Lucas Silveira é presidente do Instituto DEFESA

Lucas Silveira é presidente do Instituto DEFESA

Há algum tempo escrevi os 10 mandamentos do combate armado, que se tornou um “viral” contido até mesmo em apostilas de polícias estaduais pelo Brasil.

Nosso objetivo hoje é retroceder um pouco no tempo deste combate hipotético. Que medidas podem ser tomadas para aumentar as chances de sucesso frente à crescente violência urbana?

Vamos enumerar 5 pontos vitais que jamais devem ser subestimados, tanto pelo operador militar ou policial, quanto pelo pai de família que foi ao mercado fazer compras. Confiram.

 

1. Esteja sempre armado.

2. Trate a todos como se estivessem armados. Toda pessoa que tem uma arma, pode ter duas.

3. Nenhuma ameaça é individual. Nunca assuma que seu inimigo está sozinho.

4. Ataque primeiro. Ataque melhor. Ataque com mais força.

5. Se é impossível combater a agressão com superioridade, recue.

 

Vamos analisar cada um deles?

 

1. Esteja sempre armado.

Não basta estar armado, ou estar treinado. É preciso estar SEMPRE armado e SEMPRE com o treinamento em dia. Seu pior conflito ocorrerá no exato momento em que você baixar a guarda e pensar “mas eu vou só até a padaria comprar um sorvete…”.

2. Trate a todos como se estivessem armados. Toda pessoa que tem uma arma, pode ter duas.

Desde os tempos de Sun Tzu, subestimar o inimigo é um erro fatal. Assuma que sua ameaça está bem armada. Trate-a desta forma sempre, mesmo que você tenha razões para acreditar que não seja verdade.

Além disso, o fato de um agressor ter perdido ou entregado uma arma, não significa que ele não possa ter outra.

3. Nenhuma ameaça é individual. Nunca assuma que seu inimigo está sozinho.

A negligência deste ponto é decorrência da chamada visão de túnel ou da exclusão de auditório. Reações fisiológicas  fazem com que uma pessoa sob estresse reduza a sua capacidade de ver ou escutar qualquer coisa além da ameaça imediata.

Esta é a razão de se treinar o “scanning” (olhar para os lados) no tiro tático e nos treinamentos de combate desarmado de qualidade, de se evitar a todo custo andar para trás e de se combater um agressor no chão ou em luta agarrada.

Sempre levante-se, olhe para os lados, busque novas ameaças, antes do combate, durante o combate e depois dele, se houver.

4. Ataque primeiro. Ataque melhor. Ataque com mais força.

Confusões quanto a interpretação da legislação sobre legítima defesa ou até mesmo sobre um conceito errado de ética ou moral podem fazer o neófito acreditar que precisa ser efetivamente agredido para poder responder com a força necessária.

Não é verdade. Se o confronto físico é iminente, sua obrigação tática é agir primeiro, inopinadamente e com a violência necessária para impedir o ataque oriundo do inimigo. Surpresa, velocidade e violência da ação. Diligentia, vis, celeritas. Já ouviu isso antes?

5. Se é impossível combater a agressão com superioridade, recue.

Situações de estresse geram no corpo humano a chamada reação de luta, fuga ou congelamento. Tratamos com frequência da luta, mas é importante não subestimar o valor da fuga.

Fugir não é desonroso. Não significa desistir do combate, mas apenas reagrupar esforços para repelir uma agressão de modo inteligente. Apenas aceite um combate se a vitória for significativamente mais provável que a derrota.

O único combate injusto é aquele em que você perde.


 

Este artigo foi útil? Torne-se um membro premium do Instituto DEFESA e assegure que mais pessoas possam ter acesso a este documento. Saiba como.


Publicado em Artigos
19 comentários sobre “5 dicas para sobreviver à violência urbana
  1. Raphael Mathias Chiarelli Gomes disse:

    Você pratica Kombato (ou praticou)? Pois eu pratico e é essa a filosofia ensinada no curso.

  2. Eduardo Torelly disse:

    Nota 11 pelo texto, professor. Não há reparos.

    Força e Honra!

  3. raphael disse:

    Excelente! Sempre muito bom!

  4. wellington disse:

    Dicas muito boas, de grande valia! Parabéns!

  5. Paulo Machado disse:

    Muito bom. Parabéns!

  6. Giscard Marcial de Carvalho disse:

    Legal a foto que foi tirada de você na Imbel de Itajubá (MG).
    Trabalhei lá 18 anos. Parabéns pelo texto!!!

  7. Leandro disse:

    gostaria de imaginar a cara do juiz ao me julgar por matar um marginal ao tentar me roubar ou invadir a minha casa depois de eu dizer a ele tudo oque eu eu li aqui. gostaria de coração que fosse assim mesmo, mas para quem pensa que ser RAMBO vai comover o juiz fica a dica, o juiz vai punir você porque sabe que se te foder te mostrar o inferno você nunca mais vai querer voltar, agora vagabundo, vive inferno dia a dia, para ele o juiz vai pensar, ( essa desgraça, eu prendo sai eu prendo sai, num tem jeito, deixa essa merda nas ruas que logo morre e para de dar problema.) infelizmente é assim, o brasil de merda em que vivemos, onde os justos são taxados de bandidos e os bandidos de vitimas de uma economia injusta, ou outra porra assim….. prefiro ser julgado por 7 do que carregado por 6. mete munição ponta oca nessa porra e se prepara para o pau!!!! que vagabundo pensa que cidadão de bem é cuzão! e nós devemos mostrar que somos preparados

    • Jair disse:

      Muito bom Leandro, é que no Brasil a justiça é cega, os políticos se já sabe, e o mimimi de não reaja, e quando não me restar mais nada o que vou fazer ? Se for assaltado na porta do banco, o governo vai perdoar a DARF ? Passou da hora de mostrar que é o povo ordeiro que tem que mandar nesse País.

  8. LEONILDO RODRIGUES COSTA disse:

    Muito bom seus comentários, é isso mesmo.

  9. Marcello disse:

    Muito bom!

  10. Eraldo Ferreira disse:

    Concordo com o texto e achei muito instrutivo. Só me resta perguntar: -Como um cidadão comum como eu pode conseguir um porte de arma?

  11. César disse:

    Valioso ensinamento Lucas Ferreira.
    E quanto ap scanning é sempre nom lembrar que quem transporta uma arma no carro ou tem porte tem que andar sempre em QAP
    A eterna vigilância é o preço da liberdade!
    Quanto à confusão do que se interpreta como legítima defesa,a vítima ao pressentir risco iminente a sua integridade física está autorizada a reagir de forma a parar a agressão.
    Muitos podem se perguntar :
    Se o suposto agressor estivesse armado como poderia supor que ele iria me agredir?
    Simples a resposta:
    Se alguém se aproxima de você com uma arma a intenção dele não é tentar persuadí-lo, mas a de agredí-lo ou matar sua vítima.

  12. César disse:

    Correção…

    Sr. Lucas Silveira!

  13. Ed disse:

    Apenas para complementar as 10 e 5 dicas para sobrevivência. Ótimas aliás. O abaixo são dicas coletadas e aprendidas na vida.
    1. O tempo de resposta da policia no 190 pode ser de mais de 60 minutos. O tempo de resposta de um .38 SPL é de + – 250 m/seg
    2. Num tiroteio, o que importa é vencer. Não existe esta coisa de luta limpa. Vença sempre o combate, trapaceando quando e se for preciso.
    3. No tiroteio, o mais importante é ter uma arma, Porque se não não estiver atirando, é melhor estar recarregando. Se não estiver recarregando, é melhor estar se movimentando, se não estiver se movimentando, vais estar MORTO.
    4. Numa situação de vida ou morte, faça alguma coisa. Talvez seja a coisa errada, mas faça alguma coisa.
    5. Se portares uma arma, as pessoas te chamarão de paranoico. Bobagem. Se tens uma arma, por quê ficarias paranoico?
    6. Nunca deixe o inimigo vivo. Se tiver que atirar, atire para matar. Na policia ou no tribunal, o teu depoimento vai ser o único.
    7. Nunca deixe algo ou alguém que te ameaça, numa distancia menor que o teu braço.
    8. Nunca diga que tens uma arma, se tiver que usar força mortal, o único som que eles tem que ouvir, é o do destravamento da tua arma.
    9. Se for para fazer uma mãe chorar, que seja a do teu inimigo. É sempre melhor ser julgado por 7, que carregado por 6.
    10. Talvez não salves o planeta com o acima, mas podes salvar a tua vida, a da tua família ou a vida de mais alguém.

  14. Alexandre vilela disse:

    É difícil viver em um país que vagabumdo tem mais direitos que o cidadão.

  15. Luis Octavio disse:

    Como posso estar sempre armado se o estado diz que eu não tenho o fundamental direito de portar a minha arma?

  16. rodrigomarques de oliveira disse:

    dica revolver médio ou pequo cal.38 obs,muniçao +p,,,+p+, menos 380 é fraco. compre legalizada com registro . se o policial que te pegar for sensato ele não vai te prender.no maximo um puxao de orelha, carregue com vc sempre que puder.na sintura com um bom coldre interno uma camisa mais larga de preferencia com outra por cima, ninguém vai perceber é so não dizer aninguem , obs o rt 85s 3″ ox. é esselente arma, é estreita cano de bom tamanho e sporta tranquilamente a munição gold +p+.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Próximos eventos
  1. Curso de Estudos de Política e Estratégia – CEPE – Paraná

    março 13 @ 8:00 - julho 31 @ 17:00
  2. Kalis Ilustrissimo no Brasil!

    setembro 16 @ 8:00 - setembro 17 @ 17:00